20 de abr de 2011

vou pescar

Estou pensando em começar a misturar música e este singelo blog um pouco mais.
Hoje de manhã li João 18-21 como minha meditação, com o intuito de me preparar para este final de semana santa. Tentei enxergar o aspecto humano contido nestes capítulos, tentei me identificar com as várias partes envolvidas em todas as ações descritas. Me deparei com a humanidade incrível de cada figura, com os interesses pessoais dos discípulos, dos sacerdotes, do sinédrio, de Pilatos... e me deparei com a minha própria humanidade, minhas preferências, tendências e vontades.
Chegando ao final um verso saltou aos olhos e trouxe uma canção. Jo 21:3 "Disse lhes Simão Pedro: Vou pescar.Disseram-lhe os outros: Também nós vamos contigo...."
O poema e a canção que coloca abaixo, de autoria de Stênio Botelho e na voz de João Alexandre, descreve com maestria e sensibilidade este momento singular e significativo na vida Pedro. Me sinto naquela praia, dentro dos pensamentos do próprio.
Esta música está me acompanhando hoje, de uma forma ou outra.
Espero que você também possa aproveitar.
forte abraço

8 de abr de 2011

resiliência vs. resignação


cada vez mais dá vontade de desistir deste mundo. não nego as coisas interessantes e maravilhosas que existem. no entanto, quando ouso reparar naquilo que está errado com esta nossa época dá vontade de entregar os pontos e viver somente para os meus e para um pouco da comunidade na qual vivemos mais ativamente.
não aguento mais ver um legislativo corrupto, um sistema judiciário ineficiente e um executivo incompetente. não aguento mais poder colocar cada um destes três adjetivos em cada um dos sistemas acima citados sem medo de errar.
é desesperador ver cataclismas açoitando a humanidade. estamos cientes da realidade, tentamos nos antecipar e preparar, mas mesmo assim assistimos impotentes torrentes, terremotos, tsunamis e tornados arrasarem cidades e ceifando inúmeras vidas
é aterrorizante ver a maldade explícita e implícita aumentar e bater bem pertinho da nossa porta. e não, isso não é egoismo e sim a lenta, mas constante conscientização de que a desgraça pode bater à porta de qualquer um e, portanto, estamos de uma maneira ou outra no mesmo barco...
o grande desafio é, apesar do desalento e da vontade de se recolher resignadamente desistindo deste mundo e aguardar de forma egoista o porvir, mesmo assim encontrar forças em Deus para declarar que, se depender de mim, o mundo será um pouco menos pior.
enfim: resiliência. esta palavra sim, está tomando outro significado e está tendo outra relevância em minha vida.
portanto: Senhor, me dê a resiliência que vem de Ti.
Shalom